quinta-feira, 6 de agosto de 2020
  • Televendas   0800 888 1191
  • Whatsapp   (85) 99955-0095

Precisa de Ajuda?

Entre em contato via Whatsapp (85) 99955-0095

Itens 1 para 15 de 28 total

Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela Lista

  • GNC Multivitaminico Teen (Feminino 12-17 anos/Adolescentes)

    120 cápsulas

    R$199,00
    Ou parcele em até 12x bandeiras

  • GNC Fórmula Pré Natal com Ferro (Gestantes)

    120 cápsulas

    R$289,00
    Ou parcele em até 12x bandeiras

  • GNC Cabelos, Pele e Unhas (Vitapak) Suplementação Feminina

    Programa para 30 dias

    R$259,00
    Ou parcele em até 12x bandeiras

  • Health Booster (Impulsionador da Saúde) Life Extension

    60 Cápsulas

    R$299,00
    Ou parcele em até 12x bandeiras

  • GNC Formula Menopausa 60

    60 cápsulas

    R$259,00
    Ou parcele em até 12x bandeiras

Itens 1 para 15 de 28 total

Página:
  1. 1
  2. 2

Tabela Lista

A maior característica das mulheres atuais é ser multifuncional. Elas estudam, investem na carreira, cuidam dos filhos e ainda mantêm compromissos sociais e uma vida a dois. Mesmo com tantas atividades e responsabilidades, elas seguem vaidosas e fazem questão de cuidar da aparência. Com a rotina atribulada, as vitaminas e os nutracêuticos aparecem como grandes aliados das mulheres na manutenção e na melhoria da saúde, do bem-estar e da beleza.

As vitaminas ou os polivitamínicos são considerados suplementos alimentares indicados a indivíduos que não conseguem ingerir a quantidade ideal de nutrientes por meio da dieta diária. Essa deficiência pode ocorrer devido a uma alimentação desbalanceada, à prática intensa de esportes, ao consumo de medicamentos que dificultam a absorção de vitaminas ou como sintoma de alguma doença.

Pesquisa da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres mostrou que a maior parte das mulheres começa a consumir suplementos alimentares entre 31 e 40 anos. As entrevistadas afirmam que após começarem a tomar os suplementos, passaram a se sentir menos cansadas e mais dispostas, além de ficarem mais resistentes a doenças.

A IMPORTANCIA DA VITAMINA D PARA A SAÚDE DA MULHER:

A vitamina D é um pró-hormônio relevante em importantes fases da saúde da mulher. Essencial para um crescimento saudável na infância, dado que previne o raquitismo; na adolescência, o seu equilíbrio no organismo contribui para a prevenção da Síndrome dos Ovários Policísticos, endometriose e infertilidade. Já na gestação, é responsável por prevenir a diabetes gestacional, baixo peso fetal e complicações de parto. E no fim da vida fértil da mulher, a menopausa, tem papel fundamental na manutenção dos níveis normais de cálcio e fósforo no sangue.

Na infância:

As crianças devem receber suplementação de vitamina D como principal medida para prevenção de raquitismo. O Ministério da Saúde recomenda para recém-nascidos a suplementação medicamentosa de 400 UI de vitamina D/dia, a partir da primeira semana de vida até os 12 meses. Essa suplementação é imprescindível e fundamental até o final do primeiro ano de vida. A partir do 13º mês, a suplementação é recomendada como imunomodulador e também para aquelas crianças que são pouco expostas ao sol.

Na adolescência e fase adulta:

A deficiência de vitamina D afeta o metabolismo ósseo e pode contribuir para estados de subfertilidade, Síndrome dos Ovários Policísticos e endometriose. Além disso, níveis adequados melhoram os resultados da fertilização in vitro.

Na gravidez:

Uma metanálise publicada na revista médica British Medical Journal demonstrou que há maior risco para pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, baixo peso fetal e vaginose bacteriana quando os níveis de vitamina D, na gestante, estão abaixo do normal. Em outra meta-análise, a suplementação mostrou efeito positivo sobre a redução do baixo peso ao nascer. Alguns estudos também já relacionaram a falta desta substância com diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, recém-nascido com baixo peso e vaginose bacteriana.

Na menopausa:

A vitamina D tem papel fundamental na manutenção dos níveis normais de cálcio e fósforo no sangue. Essas alterações podem ser bastante significativas para a mulher. A baixa quantidade deste mineral nos ossos causa sua fragilidade, a osteoporose. Assim, a reposição em idosos promove a melhora do tônus muscular, reduz a incidência de queda e de fraturas. “O Brasil, embora ensolarado, apresenta alta incidência de hipovitaminose D. Estima-se que aproximadamente 80% da população do meio urbano esteja com os níveis abaixo do esperado, suscetíveis a doenças. Hoje, no mercado, existem outras formas de equilibrar os níveis inadequados de vitamina D no organismo que não apenas pelo sol. Para saber a necessidade de suplementação, deve-se procurar um médico”, explica o especialista.

AS MELHORES VITAMINAS PARA PELE, UNHAS E CABELOS:

Vitamina C: É essencial para a saúde e beleza da pele por ser um potente antioxidante, contribui para a manutenção e o reparo da cútis, protege contra os estragos da oxidação causada pelos radicais livres, auxilia na síntese de colágeno e previne contra o envelhecimento precoce.

Vitamina A: Ajuda na preservação do colágeno que deixa pele, cabelo e unhas mais saudáveis, é importante para o sistema imunológico e a reprodução além de atuar também na defesa contra infecções.

Vitaminas do complexo B: São importantes para o metabolismo das proteínas e crescimento celular, mantém a pele e os cabelos saudáveis, protegem o fígado e acelera os movimentos peristálticos intestinais.

As unhas secas, frágeis, quebradiças ou esbranquiçadas podem significar carência de magnésio, cálcio e zinco. Portanto, para mantê-las bonitas e fortes, inclua no cardápio alimentos que contenham esses minerais.

Fios bonitos e viçosos também são frutos de uma alimentação balanceada. Para ajudar o crescimento e o fortalecimento das madeixas, o ideal é seguir um cardápio que contenha especialmente vitaminas A, C, E, além de zinco

Para melhorar esses aspectos, os nutrientes indicados são:

Zinco: Auxilia a deixar os fios de cabelo com aparência viva. 

Vitamina E: Dá brilho às unhas, pele e cabelos. 

Biotina: Melhora a saúde da pele, diminui a queda de cabelos e fortalece as unhas.

Vitamina D: Ajuda no crescimento dos fios. 

Magnésio: Dá mais força aos cabelos e as unhas. 

Ferro: Estimula o crescimento das unhas e dos cabelos.

Multivitamínico: Alguns multivitamínicos auxiliam repondo esses nutrientes tão essenciais para as unhas, pele e cabelos. As opções em gomas são saborosas e tornam o momento da suplementação ainda mais agradável.

 

BENEFICIOS DAS VITAMINAS PARA OS CABELOS:

Vitamina A: Ajuda a produzir o sebo no couro cabeludo, responsável pela hidratação do fio. Além disso, protege os fios da queda, combatendo os radicais livres causadores deste mal.

Vitamina B2: Previne o enfraquecimento e consequente queda do fio. Além disso, essa vitamina está ligada ao processo de formação dos fios.

Vitamina B3 (Niacina): Melhora a circulação sanguínea, estimula o crescimento dos fios, fortalece a fibra capilar e está diretamente associada à prevenção da queda.

Vitamina B5 (Ácido Pantotênico): Este ácido ajuda a reduzir a queda dos fios por envelhecimento, ou seja, causas naturais. Além disso, fortalece os folículos e células, de maneira que viabiliza o funcionamento adequado dos mesmos. Outro benefício dessa vitamina é que ela abre espaço para o crescimento de novos fios, liberando a pele morta do couro cabeludo.

Vitamina B7 (Biotina): A vitamina B7 (biotina) funciona para evitar a queda dos fios, tratar a caspa e ainda hidratar a pele. Sua ausência inclusive causa a queda das madeixas por enfraquecimento.

Vitamina B7 (Inositol): O Inositol também é um tipo de vitamina B7, este é um dos principais nutrientes responsáveis por estimular o crescimento do fio, além de prevenir a calvície. Outra informação interessante é que a falta desta vitamina no couro cabeludo pode causar também irritação da pele e problema nos nervos, além de eczema.

Vitamina B12: Funciona no processo de divisão celular ajudando no crescimento dos fios.

Vitamina C: Vitamina com propriedades antioxidantes que produz colágeno, proteína que faz parte de um terço do corpo, incluindo os nossos cabelos. Ela protege os fios dos canos causados pelos radicais livres.

Vitamina D: Recupera a estrutura capilar e trabalha contra a queda do cabelo. A ausência dessa vitamina enfraquece os fios, deixando-os mais finos.

Vitamina E: Mais uma vitamina antioxidante. Esta previne os fios brancos, temidos por muita gente. Além disso, estimula a circulação sanguínea do couro cabeludo que, consequentemente, promove o crescimento capilar. É muito poderosa em termos de recuperação de regiões onde houve queda de cabelo e também previne este mal.

Vitamina B1: Como é uma vitamina conhecida por combater o estresse, é administrada como uma maneira de prevenir a queda. Isso porque o estresse é uma das maiores causas de queda capilar.

COMO INDETIFICAR A NECESSIDADE DE VITAMINA PARA CABELO?

Para descobrir se o seu cabelo está com a deficiência de alguma vitamina essencial, basta observar bem o seu aspecto. Ou seja, um cabelo saudável geralmente não tem um aspecto ruim e obviamente não precisa de nenhuma suplementação de vitaminas. Por esse motivo, observe principalmente se os seus fios estão caindo mais do que o normal, se o seu cabelo está demorando a crescer, se as madeixas estão apresentando um aspecto frágil e quebradiço, entre outros detalhes que indiquem um cabelo enfraquecido. Caso ainda esteja em dúvida ou tenha notado algumas dessas características, procure um dermatologista para que ele possa fazer uma análise mais detalhada. Além disso, ele também deverá pedir uma porção de exames para ter certeza de que não é algum problema mais grave que está causando o enfraquecimento dos seus fios.

QUAL É IMPORTÂNCIA DAS VITAMINAS PARA A PELE?

As vitaminas podem dar a ajuda extra que a saúde de sua pele precisa para o tratamento de diversos quadros, como a acne, o ressecamento, as rugas e as linhas finas, que se beneficiam de diferentes vitaminas consumidas através de refeições balanceadas. Outra forma de aproveitar os benefícios dessas substâncias é aplicar diretamente sobre a pele dermocosméticos que contêm vitaminas em sua composição, como a Vitamina A, necessária na formação do colágeno e na renovação celular.

Pele mais firme e menos oleosa com as vitaminas A e B:

Para combater a flacidez da pele, a vitamina A é um poderoso ativo que age diretamente na renovação celular e na síntese de colágeno. Derivado da Vitamina A, o Retinol ameniza a flacidez e dá uma aparência mais firme e uniforme à derme. Ele é essencial para qualquer tipo de pele, principalmente aquelas acima dos 40 anos, já que nessa época a capacidade de renovação cutânea é mais lenta e demorada. Outros benefícios da Vitamina A são: sua ação antioxidante, diminuição da oleosidade da pele, dos danos causados pelos raios UV e desacelera o envelhecimento da pele.

As vitaminas B5 e B6 auxiliam a normalizar as funções da pele. Elas atuam controlando a produção de óleo pelas glândulas sebáceas e têm ação cicatrizante e anti-inflamatória, aumentando a resistência natural da pele e promovendo a renovação celular. A vitamina B3, Conhecida como niacinamida, equilibra a produção de sebo das peles oleosas e aumenta a produção de ceramidas, garantindo a hidratação de dermes secas.

Poder antioxidante da Vitamina E:

A vitamina E é muito conhecida por suas propriedades antienvelhecimento . Seu poder antioxidante combate os radicais livres diretamente, reduzindo as rugas e linhas de expressão e mantendo a pele jovem e saudável por muito mais tempo. A substância ainda ajuda a reduzir a produção da colagenase, uma enzima que destrói o colágeno, responsável por dar firmeza e elasticidade à pele.

Além disso, a vitamina E ajuda a proteger a pele contra a radiação solar, contra as toxinas da poluição e dos efeitos que o frio ou o calor excessivos podem causar na pele. Ela também ajuda a hidratar peles ressecadas, deixando-as mais suaves e sedosas, sendo uma ótima aliada de quem tem peles sensíveis.

Vitamina C contra rugas e manchas:

A vitamina C é uma das mais utilizadas na indústria dermocosmética, devido aos benefícios que é capaz de proporcionar à pele. Capaz de prevenir e minimizar as rugas e linhas finas, a substância é indispensável nos tratamentos contra o envelhecimento da pele , já que estimula a produção de colágeno e elastina. Entre as diversas vantagens que a vitamina C oferece à cútis, está o combate à flacidez e aos radicais livres, deixando a pele mais firme e melhorando a aparência do rosto.

O poder da substância ainda é demonstrado através de sua capacidade de potencializar os efeitos do filtro solar e de sua ação no combate a manchas escuras, clareando a pele e inibindo a produção da tirosinase, enzima que produz a pigmentação causadora deste tipo de mancha. A vitamina C uniformiza, ainda, o tom da pele, clareia melasmas e manchas de sol, além de disfarçar imperfeições causadas pela acne.

VITAMINAS PARA AS UNHAS:

Vitamina B8:

Também conhecida como biotina, a B8 é sua principal aliada quando você quer unhas mais fortes. Ela ajuda no fortalecimento da imunidade do corpo e renova as células da pele, assim como cabelo e unhas. Você a encontra em carnes vermelhas, grãos, ovos e legumes como ervilhas e cenouras, cogumelos e castanhas.

Vitamina B12:

A B12 é responsável por auxiliar na produção de glóbulos vermelhos no sangue e ajuda a previnir alguns quadros de anemia. A falta dela pode prejudicar todo o organismo, inclusive as unhas. 


A vitamina está presente em alimentos de origem animal, como frutos do mar, carnes brancas e vermelhas e derivados do leite e ovos. Se você é vegano , será necessário o uso de suplementos alimentícios, mas não deixe de consultar seu nutricionista.

Vitamina C:

Protege de doenças, além de, assim como a B12, fortalecer os glóbulos vermelhos e auxiliar na absorção de ferro. Coma muitas frutas, principalmente cítricas e verduras para ter uma boa taxa de vitamina C no organismo.

Vitamina E:

A vitamina E funciona para deixar as unhas sempre hidratadas, além de ter função antioxidante. Presente em oleaginosas como amêndoa e amendoim, além de azeite de oliva, a vitamina E protege as unhas dos radicais livres.

VITAMINAS IMPORTANTES NA GRAVIDEZ:

As vitaminas do complexo B ajudam o bebê a desenvolver um sistema nervoso saudável, e auxiliam na formação do feto, evitam ainda a depressão pós-parto e previnem enjôos. O ácido fólico (também chamado de folato ou B9) reduz o risco de se gerar crianças com defeitos e as mulheres necessitam desta substância ao longo da vida. A B6 participa da produção de serotonina e dopamina, neurotransmissores relacionados ao prazer e auxilia o equilíbrio dos níveis de estrogênio no organismo, amenizando o desconforto causado por seu excesso ou sua falta. Além disso, a vitamina C também é muito importante, pois sem ela, todo o ferro fornecido pelos vegetais não é aproveitado pelo corpo humano.

4 principais vitaminas no primeiro trimestre da gravidez:

Ácido fólico (Vitamina B9): 

Por volta da sexta semana, acontece o fechamento do tubo neural do feto. Para que esse processo ocorra sem problemas no corpo da gestante, o ácido fólico precisa estar em níveis aceitáveis. Seu uso deve ser iniciado um mês antes da gravidez e continuado até a 12ª semana gestacional.

Vitamina A:

Ela é importante para o desenvolvimento do embrião. Sua ausência ou deficiência pode estar relacionada ao aborto, à microcefalia, a distúrbios oculares e de visão fetal.

Vitamina D:

Mesmo sabendo da importância dessa vitamina para o corpo, o seu uso na gravidez ainda é alvo de constante investigação. Ainda não é comprovada sua necessidade de uso universal ou na redução da pressão alta no período gestacional e morte fetal, por exemplo.

Polivitamínicos:

Segundo o CDC e o Instituto de Medicina Americano, o uso de polivitamínicos é recomendado para mulheres que não têm uma dieta adequada, além de pacientes com gestação gemelar, usuárias de drogas, tabagistas, vegetarianas estritas e aquelas com deficiência de lactase.

VITAMINAS IMPORTANTES NA MENOPAUSA:

A vitamina E ameniza a chegada da menopausa, nesta fase há a redução de cálcio nos ossos e a adequação da vitamina E é importante, pois, ela estimula a produção de vitamina D, que por sua vez, é essencial para a absorção de cálcio.

O cálcio é um mineral abundante no corpo humano e é essencial para manter os ossos e os dentes fortes e saudáveis, por isso a ingestão de cálcio torna-se especialmente importante à medida que envelhecemos.

A falta de zinco pode levar a baixos níveis de testosterona que é importante para a libido e o bom funcionamento dos órgãos sexuais femininos.

O Magnésio também tem importante função na menopausa, e melhora a TPM, a vitalidade e o humor, além de contribuir para levar cálcio aos ossos, e para o perfeito funcionamento da tireoide. O magnésio é ainda um nutriente importante para o sistema nervoso, mantém músculos tonificados.

Na pós-menopausa, as mulheres devem também prestar atenção quanto a estas vitaminas e nutrientes importantíssimos nesta fase.

VITAMINAS E SEUS BENEFÍCIOS NA SAÚDE DA MULHER:

Vitamina A:

O que ela faz: A vitamina A garante o desenvolvimento da visão, da pele, do sistema imune e muitas outras parte do corpo.

Por que você precisa: Ela está na lista das melhores vitaminas para a mulher porque ela tem papel vital na visão. Pesquisas sugerem que a vitamina A pode prevenir alguns tipos de câncer e melhorar a função imunológica. A recomendação diária é de 700 mcg (você consegue isso em meia batata-doce ou um pouco mais de metade de xícara de espinafre).

Onde encontrar: Vegetais de folhas verdes e legumes laranjas e amarelos (especialmente a batata-doce e cenouras), tomates, frutas, laticínios, fígado, peixes e cereais fortificados.

Folato:

O que ele faz: Produz e mantém novas células, incluindo as hemácias. Ele também é necessário para o funcionamento do cérebro.

Por que você precisa: O folato, que é uma vitamina B, é crucial na prevenção da anemia, já que produz novas células sanguíneas no organismo. Não adquirir a quantidade ideal de folato pode aumentar o risco de câncer de colo do útero, cólon, cérebro e pulmão. E o folato é especialmente importante durante a gravidez. Na verdade, de 50% a 75% de sérios defeitos de nascença poderiam ser prevenidos pela ingestão apropriada de ácido fólico antes e durante o primeiro mês de gestação. A quantidade recomendada diariamente é de 400 microgramas, mas esse valor precisa ser elevado para 600 microgramas em caso de mulheres gestantes e 500 microgramas para as lactantes.

Onde encontrar: Em vegetais verde-escuros, abacate e amendoim. A forma sintética do ácido fólico pode ser achada em suplementos e frequentemente adicionada a cereais, pães, massas e arroz.

Biotina:

O que ela faz: Auxilia na formação de ácidos graxos e açúcar no sangue, que são usados para a produção de energia no corpo. E mais: ela ajuda a metabolizar aminoácidos e carboidratos.

Por que você precisa: Apesar de uma falta de biotina ser rara, adquirir a quantidade suficiente manda para longe sinais de deficiência, como queda de cabelo, unhas quebradiças e alergias avermelhadas no rosto. A recomendação é de 30 mcg de biotina diariamente para mulheres acima de 19 anos.

Onde encontrar: Couve-flor, fígado, batata-doce, amêndoas, abacate, sementes, ovos, leite, grãos e framboesas.

Vitaminas do complexo B:

O que elas fazem: Vitaminas como a B6 ou B12 ajudam o corpo a transformar comida em combustível para o organismo. Elas também contribuem para uma pele cabelo e olhos saudáveis. E mais: elas mantêm o sistema neurológico, o metabolismo e a tonificação de músculos funcionando bem.

Por que você precisa: A deficiência de algumas vitaminas B pode causar sintomas terríveis, como anemia, cansaço, perda de apetite, dores abdominais, depressão, dormência e formigamentos em pernas e braços, câimbras musculares, infecções respiratórias, queda de cabelo, eczema, baixo desenvolvimento em crianças e defeitos de nascença. Você deve obter 2.4 mcg de B12 e 1.6 mcg de B6 diariamente.

Onde encontrar: Peixe, frango, laticínios, vegetais de folhas escuras, cereais e alguns pães.

Vitamina C:

O que ela faz: Facilita o desenvolvimento dos tecidos, ossos e dentes. Ela funciona como antioxidante para bloquear a atividade dos radicais livres.

Por que você precisa: Os poderes curativos e antioxidantes da vitamina C são essenciais. Sinais de uma deficiência desta vitamina incluem cabelo ressecado e com pontas duplas, gengivite (inflamação de gengivas) e sangramento de gengiva; pele ressecada; dificuldade de coagulação, facilidade para ganhar hematomas, sangramento nasal e uma pior habilidade para curar infecções. Mulheres acima de 19 anos precisam de 75 mg de vitamina C.

Onde encontrar: Todas as frutas e vegetais, particularmente os cítricos, as pimentas e brócolis.

Vitamina D:

O que ela faz: Promove desenvolvimento ósseo, crescimento celular e neuromuscular e melhor função imunológica.

Por que você precisa: Sem a quantidade suficiente de vitamina D, os ossos podem ficar mais frágeis e quebradiços, podendo provocar uma osteomalacia, o que também é capaz de enfraquecer os músculos. A deficiência de vitamina D foi ligada aos tipos 1 e 2 da diabetes. A boa notícia: evidências sugerem que a vitamina D promove proteção contra o câncer colorretal e, possivelmente, outros tipos de câncer. A recomendação é tomar 15 mcg dela todos os dias.

Onde encontrar: Peixes gordurosos, como salmão e atum, óleo de fígado de bacalhau. Ela ainda chega em pouca quantidade em carne vermelha, fígado, queijos e gemas. Muitas pessoas também conseguem adquirir pelo menos um mínimo de vitamina D através de luz solar. Mas, se você vive em uma área com pouco sol, talvez seja uma boa ideia caprichar nas comidas com o nutriente ou tomar um suplemento.

PRINCIPAIS VITAMINAS PARA CÓLICAS:

Vitamina B6 (piridoxina): É um componente vital de qualquer dieta com o objetivo de reduzir a dor menstrual. Esta importante vitamina desempenha um papel-chave na síntese do neurotransmissor dopamina, que promove o bem-estar físico e emocional. Estudos mostram que a vitamina B6 pode reduzir a dor; no entanto, não parece ser capaz de afetar a causa subjacente. Boas fontes de vitamina B6 incluem bananas, lentilhas, grão-de-bico e aveia.

Vitamina B3 (niacina): Um estudo mostrou que a vitamina B3 (niacina) foi eficaz na redução de cólicas menstruais em cerca de 90% de mulheres sintomáticas. As mulheres receberam 200 mg de niacina diariamente durante todo o ciclo menstrual e 100 mg a cada duas a três horas quando eram acometidas pelas cólicas, durante o período menstrual. Acredita-se que os efeitos benéficos da niacina resultam da capacidade da vitamina em diminuir o espasmo das artérias uterinas. A vitamina C e o bioflavonóide rutina aumentaram ainda mais a eficácia da niacina no tratamento da dismenorreia.

Vitamina E (tocoferol): Um grande número de pesquisas científicas sugere que a vitamina E (tocoferol) é eficaz para tratar dismenorréia primária. Uma ingestão substancial de vitamina E alguns dias antes do início e durante a menstruação reduz significativamente a dor menstrual, bem como limita a quantidade de sangue perdido durante a menstruação. O potencial da vitamina E é resultado da sua capacidade de inibir a síntese de prostaglandina. Sementes, nozes e óleos vegetais estão entre as melhores fontes de vitamina E.

Vitamina D: A vitamina D é indicada através de vários estudos científicos como um eficaz tratamento para períodos dolorosos. A vitamina D é conhecida por reduzir a produção de prostaglandinas. Além disso, a vitamina D, na dose de 400 UI por dia, ajuda seu corpo a usar o cálcio e pode reduzir a inflamação. Como a vitamina D pode interagir com uma série de medicamentos, consulte seu médico antes de iniciar seu uso, caso esteja sobre medicação.

VITAMINAS PARA DIMINUIR O DESCONFORTO NA MENOR PAUSA:

Algumas vitaminas e minerais como cálcio, magnésio e vitaminas C, D e E podem ajudar a diminuir os sintomas como ondas de calor que chegam a molhar o corpo de suor, a secura vaginal e o acumulo de gordura na barriga. Mas estes suplementos alimentares só devem ser consumidos com a indicação do médico ou nutricionista.

As vitaminas que parecem ter mais relevância para reduzir os sintomas da menopausa são:

Vitamina E: Para aliviar as ondas de calor, secura vaginal e sensibilidade dos seios. Contribui também para a saúde da pele e das unhas.

Vitamina D: Para ajudar a absorver o cálcio, garantindo a melhoria da saúde óssea.

Vitamina C: Para ajudar a diminuir as fortes hemorragias menstruais que ocorrem geralmente quando se aproxima a menopausa. 

ESTUDOS CIÊNTIFICOS SOBRE VITAMINAS:

Vitamina D:

Uma dose semanal de 50.000 UI de vitamina D oral diminui significativamente a gravidade da dor para aqueles com dismenorreia primária.

O ensaio clínico randomizado duplo-cego controlado por placebo, descobriu que mulheres com dismenorreia que receberam a dose de vitamina D citada acima por oito semanas, tiveram menos dor. Além disso, mesmo um mês após o término do tratamento, os níveis de dor foram menores do que antes do tratamento.

As conclusões foram de um estudo do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital da Mulher de Teerã, no Irã.

Além de suplementos, você pode aumentar a ingestão de vitamina D, passando cerca de 10 a 20 minutos por dia ao sol.

Vitamina E:

Esta vitamina lipossolúvel é bem conhecida pelo seu poder de equilibrar o colesterol, promover a saúde da pele e do cabelo, melhorar a visão e até mesmo equilibrar os hormônios.

Agora, uma pesquisa revelou que a ingestão de 500 UI de vitamina E dois dias antes do início do período menstrual, e após três dias após o início, pode reduzir as cólicas menstruais.

Neste estudo, controlado por placebo, metade das participantes com dismenorreia primária, recebeu placebo e a outra metade recebeu vitamina E por dois ciclos menstruais consecutivos. O grupo que recebeu a vitamina E experimentou maiores efeitos e alívio.

Este estudo foi feito pelo Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas de Tarbiat, no Irã.

Mas atenção! A suplementação de vitamina E não é apropriada para todas as mulheres. Se você estiver tomando anticoagulantes, tiver doença cardíaca, diabetes ou câncer de cabeça e pescoço, deve evitar altas doses de vitamina E. Em vez disso, aumente os níveis desta vitamina incluindo em sua dieta alimentos ricos em vitamina E como amêndoas, espinafre, batata doce e abacate.

Vitamina B:

A vitamina B1 mostra-se promissora na redução da dor em mulheres com dismenorreia primária.

Em um estudo controlado feito no Hospital da Mulher, na Nova Zelândia, os pesquisadores descobriram que as mulheres que receberam 100 miligramas de vitamina B1 diariamente tiveram menos dor do que as mulheres que receberam placebo.

De acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, a vitamina B6 pode ajudar  a amenizar os sintomas comuns da TPM, incluindo mau humor, inchaço e ansiedade. A quantidade ideal de vitamina B6 para mulheres com idades entre 19 e 50 anos é de 1,3 miligramas por dia.

E mais: embora a deficiência de vitamina B6 seja rara, ela pode causar um agravamento dos sintomas da TPM, depressão, ansiedade, irritabilidade e dores musculares.

Para melhorar o bem-estar geral e ajudar a aliviar uma ampla gama de sintomas durante o período menstrual, experimente tomar um suplemento de vitamina B de alta qualidade.

PRINCIPAIS FONTES DE VITAMINAS ESSENCIAIS PARA AS MULHERES:

  • Vitamina A: ovo, cenoura, couve, espinafre, manga, tomate, mamão.
  • Vitaminas do complexo B: fígado, carne, ovo, cereal integral.
  • Vitamina C: mamão, goiaba, acerola, tomate, kiwi, couve, agrião.
  • Vitamina D: vitamina do sol, mas alguns alimentos também podem fornecer uma pequena quantidade, como o fígado de peixe, atum, leite integral.
  • Vitamina E: leite, abacate, ovo, vegetais, azeite.

QUE CONSEQUÊNCIAS A FALTA DE VITAMINAS PODERÁ CAUSAR?

A deficiência de vitamina A irá causar dificuldades para a visão noturna. Se esse déficit for prolongado ao longo do tempo, a imunidade e a capacidade de regeneração celular também serão afetadas.

O déficit de vitaminas B1, B2, B2, B5 e B6. Afetará negativamente a produção de energia, dificultando a absorção e a utilização dos nutrientes e, em última análise, a produção de energia.

O déficit de ácido fólico (B9). Pode causar anemia, úlceras na boca e aparecimento prematuro de cabelos grisalhos. Em mulheres grávidas, a frequência do surgimento de malformações fetais aumentará.

A falta de vitamina B12 é especialmente problemática para veganos e vegetarianos. Pode causar anemia, sintomas neurológicos (como dormência das extremidades, perda de memória e alterações de humor) e sintomas digestivos (principalmente perda de apetite e constipação).

Deficiência de vitamina C. Causará fadiga e prejudicará a função do sistema imunológico. Uma falta real pode levar ao escorbuto, uma doença muito rara nos dias de hoje que se manifesta com sangramento abundante, úlceras nas gengivas e distúrbios psiquiátricos.

A falta de vitamina D. Afetará a absorção de cálcio e sua incorporação nos ossos, aumentando o risco de fraturas e osteoporose. Esse déficit também prejudicará a saúde cardiovascular, causando hipertensão e outros distúrbios cardíacos.

Deficiência de vitamina E. Pode causar envelhecimento prematuro. Além disso, uma falta mais severa irá prejudicar o sistema nervoso e afetará a capacidade cognitiva, prejudicando a memória e a aprendizagem.

Uma diminuição nos níveis de vitamina K. Afetará a capacidade do corpo de coagular e curar, causando sangramentos abundantes e feridas que não cicatrizam.

PERGUNTAS FREQUENTES:

Quais são as vitaminas indicadas para queda de cabelo?

Vitamina A, vitamina B3 (Niacina), vitamina B5 (Ácido Pantotênico), vitamina B7 (Biotina), vitamina D, vitamina E, vitamina B1.

Quais são as vitaminas indicadas para fortalecer o cabelo?

Proteínas /aminoácidos, vitamina B3 (Niacina), vitamina B5 (Ácido Pantotênico).

Quais  as vitamina que faz o cabelo crescer?

Uma das vitaminas mais faladas, para fazer o cabelo crescer é a Biotina ou vitamina B7. Ela colabora para o crescimento saudável do cabelo e para reestruturação dos fios e a sua deficiência é muito rara.

 

Qual a melhor vitamina para quem está na menopausa?

Vitamina E - para aliviar as ondas de calor, secura vaginal e sensibilidade dos seios. Contribui também para a saúde da pele e das unhas.

Vitamina D - para ajudar a absorver o cálcio, garantindo a melhoria da saúde óssea.

Vitamina C e Flavonóides - para ajudar a diminuir as fortes hemorragias menstruais que ocorrem geralmente quando se aproxima a menopausa. Os flavonóides podem também amenizar as ondas de calor e as mudanças de humor.

 

O que a gestante deve tomar no início da gravidez?

De iniciar o uso do ácido fólico, um composto vitamínico do complexo B muito importante para o desenvolvimento neural do feto e que deverá ser tomado em todo o primeiro trimestre da gestação. E idealmente, iniciado três meses antes da gravidez.

 

Porque tomar Suplementos vitamínicos?

Suplementos vitamínicos representam um suporte para o organismo. Atendem, em especial, às diversas situações em que o corpo se ressente da disponibilidade desses nutrientes fundamentais para o seu funcionamento regular.

 

Quais as vantagens em tomar Polivitaminico?

O polivitamínico é um suplemento fabricado a partir de uma família de nutrientes – as vitaminas e os minerais. Esses elementos, também chamados de micronutrientes, são fundamentais para o nosso organismo, já que atuam no funcionamento, crescimento, desenvolvimento e em funções metabólicas.

 

Qual a diferença entre multivitamínico e polivitamínico?

A diferença entre multivitamínico e polivitamínico está no nome. Ambos são suplementos para auxiliar o corpo a conseguir os nutrientes necessários, que não foram totalmente adquiridos através da alimentação. 

Desse modo, não existe diferença entre os dois. 

Multivitamínico engorda?

Os suplementos sozinhos não provocam o aumento de peso, pois não possuem calorias significativas em sua composição. Contudo, o ideal é sempre alinhar o uso de multivitamínicos com hábitos de vida saudáveis, como a prática de exercícios físicos e uma alimentação equilibrada.

Quais os benefícios da vitamina E para o cabelo?

Previne os fios brancos, temidos por muita gente. Além disso, estimula a circulação sanguínea do couro cabeludo que, consequentemente, promove o crescimento capilar. É muito poderosa em termos de recuperação de regiões onde houve queda de cabelo e também previne este mal.